Em Notícias

Aumento de tarifas por causa dos turistas? Desculpa furada!

Precisava mesmo aumentar?
Imagem de Wikipedia

Um dos passeios mais recomendados por vários guias e blogs de turismo quando se visita a capital portuguesa é justamente passear pelo eléctrico 28. Operado pela Carris, o bilhete pode ser comprado em vários pontos pela cidade ou diretamente no guarda-freios (operador) do bonde.

Bilhete Carris válido no eléctrico

O preço da tarifa, para todos os eléctricos, comprado junto ao operador do eléctrico era de 1,45€ no dia 01 de janeiro de 2011 e depois dessa data passou para 2,50€. Isso mesmo! Um aumento de cerca de 70% em relação ao preço antigo.

Miradouro da Graça - uma das paisagens no caminho do eléctrico 28

Para justificar esse abuso, a Carris alega que a compra do bilhete junto ao operador afeta o tempo de percurso do eléctrico e, para tentar coibir essa prática, a indicação é comprar o bilhete nos pontos de venda antes de embarcar. A compra antecipada tem valores bem inferiores e você conta ainda com bilhetes especiais para turismo e bilhetes semanais.

Não podíamos estar todos amarelos de alegria? Porque aumentar?

Fica registrado o nosso protesto contra esse abuso aos turistas que geram uma renda enorme a Lisboa e são recebidos com um "presentão" desses. Mandou mal, Carris!

Referências:
http://m.dn.pt/m/newsArticle?contentId=1749600&page=1&related=no
imagem
http://asviagensdotiago.wordpress.com/2008/09/04/lisboa/
http://fizzdelimao.blogspot.com/2010/07/optimismo.html

Postagens Relacionadas

2 comentários:

  1. Andréa de Azevedo Freitas26 de agosto de 2012 06:47

    O mais em conta é comprar um passe 24 h, disponível em algumas lojas na área do metro ou nas máquinas de auto atendimento. Basta ter um cartão Sete Colinas e carregá-lo. Cobre autocarro, metro e elétrico.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela dica Andréa! Aproveitando sua dica, vou colocar na minha lista de dívidas de artigos um específico sobre os passes disponíveis no Porto e em Lisboa para os viajantes transitarem.
    Um abraço,
    Francisco - CP

    ResponderExcluir